Inteligência artificial na radiologia

07-01-2019

Em plena e rápida expansão no mundo todo, a inteligência artificial é uma tecnologia com potenciais e funcionalidades inimagináveis. Ela irá impactar profundamente todos os setores da sociedade. Não é exagero dizer que, na área da saúde a IA deve trazer uma verdadeira revolução nos processos de diagnóstico e tratamento, gerando imensuráveis benefícios aos profissionais e pacientes. O mesmo vale para as aplicações da inteligência artificial na radiologia.

Inteligência Artificial na Radiologia

Para avaliar o potencial da IA no apoio ao diagnóstico de imagens médicas, em fevereiro de 2018, o Google anunciou que uma de suas empresas subsidiárias, a Verily Life, criou um programa de escaneamento ocular (exame de fundo retinoscopia). Nele, um algoritmo específico consegue identificar dados da retina que são usados para detectar riscos de doenças cardiovasculares e outras doenças perceptíveis através de alterações oculares. De acordo com os dados divulgados pela organização, a ferramenta registrou 70% de acertos nos testes de imagens de pessoas reais que poderiam ter um ataque cardíaco ou um derrame em cinco anos.

Atualmente, esse tipo de análise de retina é realizada apenas por médicos oftalmologistas. Com o aperfeiçoamento de ferramentas e aplicações da inteligência artificial na saúde, a modalidade pode ganhar maior alcance e praticidade. Um exemplo é quando a instituição dispõe de um retinoscópio mas não tem um especialista para interpretar as imagens, principalmente para a triagem de normalidade.

O principal objetivo do desenvolvimento de aplicações com inteligência artificial é aprimorar e auxiliar atividades humanas, e não substituir o trabalho de radiologistas, por exemplo. Afinal, um diagnóstico radiológico não é baseado apenas em imagens. Todo médico, seja qual for a especialidade, avalia diferentes aspectos para chegar a um resultado, como o histórico do paciente, sintomas e sinais, patologias existentes, predisposições genéticas e familiares, e até questões psicológicas, sociais e ambientais.

O que a inteligência artificial pode fazer é ajudar o profissional a detectar casos raros e particularidades que por vezes não são visíveis facilmente a olho nu, ou então, quando os diagnósticos possíveis apresentam imagens muito parecidas ou apresentam extrema variabilidade, dando assim maior segurança aos profissionais.

Nesse sentido, a inteligência artificial tem um potencial muito grande na área de radiologia, uma vez que a especialidade é baseada em grande parte na análise de imagens de diferentes modalidades para suplementar e auxiliar o diagnóstico clínico. Contudo, muitas vezes o profissional só consegue diferenciar diagnósticos igualmente possíveis com base em informações adicionais. A IA é ideal para esse tipo de aplicação, pois possibilita justamente combinar várias fontes de informação, além da imagem, para obter diagnósticos mais precisos e específicos.

Fonte: Pixeon.

© Todos os direitos reservado a CEDUF - Centro de Educação Profissional
R. Ildefonso Albano, 2446, Joaquim Tavora - Fortaleza - CE, 60115-001
Fones: (85) 3252-4538 / 3253-3740 / 98500-2379

     
Daniel Farias